Adriana Pires dirige peça inspirada em obra de Clarice Lispector

 O espetáculo ‘A Via Crucis do Corpo’ volta em cartaz no Teatro Viga a partir de 1° julho.


Sucesso nos meses de abril e maio, a peça ‘A Via Crucis do Corpo’, dirigida por Adriana Pires, retorna a cartaz no Teatro Viga, em São Paulo, de 1° a 30 de julho. A diretora também é a responsável pela adaptação para os palcos de seis dos 13 contos reunidos no livro de Clarice Lispector, que leva o mesmo nome da peça.

Cada história revela a alma feminina em situações que envolvem momentos de fracasso, medo de envelhecer, questionamentos sobre o sentido da vida, sexualidade e a gula no sentido de
experimentação dos sentidos, inclusive o sexo. Até o lado feminino nos homens é assunto quando a obra aborda a relação de Clarice Lispector com o ser feminino de alguns homens, que por vezes é mais profundo do que o de algumas mulheres.

É um passeio pelos sentimentos mais perversos até os mais doces da alma da mulher. O livro ‘A Via Crucis do
Corpo’ foi lançado em 1974.

Uma curiosidade é que Clarice Lispector escreveu o livro no Dia das Mães. Diz ela: “Hoje, é o dia 12 de maio, Dia das Mães. Não fazia sentido escrever nesse dia histórias que eu não queria que meus filhos lessem porque eu teria vergonha”. “Isso é uma ironia dela, pois esse livro fala sobre tudo menos a maternidade em si.

Essa obra foi chamada de ‘lixo’ pela crítica da época, por se tratar de uma obra da aclamada Clarice Lispector e por falar de sexualidade, libido e desejos femininos pouco revelados.

Hoje é considerada Cult”, explica a diretora da peça Adriana Pires.


“Essa obra é extremamente contemporânea, pois fala do ser feminino de uma forma liberta e sem tabus. Ela fala no Dia das Mães de mulheres falhas, incompletas.
Num período onde a grande tendência é enaltecer o ser mulher/mãe. Ela se coloca cheia de questionamentos sobre sua sexualidade, desejos e capacidades. É uma obra necessária nesse período do politicamente correto”, diz Adriana Pires.

Toda a peça “A Via Crucis do Corpo” foi escrita, dirigida e produzida por mulheres. “A Viviane Monteiro me procurou querendo um texto sobre o feminino e mostrei-lhe este. Ela comprou os direitos e produziu”.

O elenco é composto por Leonardo Silva, Magiu Mansur, Tom Muskat Cortese e Viviane Monteiro.

Serviço:

O quê:​ Peça “A Via Crucis do Corpo”

Onde:​ Teatro Viga Espaço Cênico
Endereço: ​Rua Capote Valente, 1323, São Paulo - ao lado da Estação Sumaré do metrô.

Quando:​ aos sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h, de 1 a 30 de Julho
Preço:​ R$40 (inteira) e R$20 (estudante)

Sobre Adriana Pires


Uma das atrizes e diretoras mais respeitadas no Brasil, Adriana Pires é formada pelo Indac. É professora de montagem teatral, interpretação e expressão vocal desde 1997. Dirigiu texto de
autores consagrados do teatro nacional e mundial, como Eugéne Ionesco, Samuel Beckett, Nelson Rodrigues, Sarah Kane, Dionísio Neto, Mark Ravenhill e Miranda July.

Integra o corpo docente da Escola de Atores Wolf Maya desde 2009. Participou de diversas séries, tais como: ‘Somos 1 só’ e ‘Pedro e Bianca’, ambos da TV Cultura, 2ª temporada de ‘Psi’ exibida pelo HBO e 2ª temporada de ‘Lili, a ex’, no GNT.

Ganhou o prêmio de melhor atriz no
Brafftv of Toronto pela sua atuação em “Segundo Movimento para Piano e Costura”, com direção de Marco Del Fiol e produção de Philippe Barcinski.

Atualmente, está no ar com a série A História Bêbada (Drunk History Brasil), do canal Comedy
Central e SBT.

Publicado por Alexandre Fareleski Abir
Fotos por Carlo Locatelle
Assessoria: Vira Comunicação

Tecnologia do Blogger.